QUEM VEM COMIGO

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

DESPIDA

Eu me despi de ti.

Soltei as alças, desabotoei a alma que estava presa a tua, deixei escorregar a vestimenta lentamente até o chão.

Pisei sobre cada dobra suja.
Chutei o mais longe que consegui com meus pés já nus.
Agora, liberta, saí pela porta, nua de qualquer presença tua.

Desculpa se não disse adeus... Não deu!

O meu tempo agora é pouco pra tanta correria atrás do vento, buscando ter de volta o que havia antes de ter te vestido:
Um passado bem traçado de esperança, uma lembrança d'um alguém inexistido.

Talvez ele exista e eu só não saiba em que estrela se escondeu.

Enquanto durou até foi divertido.
Mas ninguém vive só de risos, é preciso mais, é preciso paz, voo, liberdade.

Estou pegando e desembrulhando a minha vida ela será meu presente de Natal.
O meu melhor presente é ter-me de volta aos braços meus.

Desculpa se não me doeu...

elza fraga
Querendo voar novamente, jogando fora o peso e atarrachando, de volta, as asas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Um doce pelo seu pensamento