QUEM VEM COMIGO

quarta-feira, 29 de abril de 2009

SEM UM PINGO DE MODÉSTIA




.
Eu nunca ensinei nada
a ninguém
o que sei nem a mim
me basta
não tenho pedigree,
não tenho pose,
não tenho casta

Nunca escrevi uma linha
diferente,
desse tipo de verso
que preste,
e que algum ausente
da vida
lesse e dissesse
nossa, é quase uma prece
pra se orar
nas horas derradeiras


Nunca fui linda,
mas nunca fui feia

nunca fui puta,
mas nunca fui santa

mas na vingança
não me fiz
lavadeira, cozinheira,
arrumadeira
de nenhum macho
chato

Não acho que foi premeditado
foi ditado lá do espaço

Porque eu não vivo
como os modestos
que se reconhecem

Apenas passo!

LINHA DE CHEGADA

.
Estou tão só
que o silêncio que me cerca
faz um barulho intenso
zumbindo
nos ouvidos

Amados, parceiros, amigos
todos sumiram
na esquina do tempo

deixando um oco
bem aqui no centro
do peito

Não sei de que jeito
isso se conserta
e tenho pressa de chegar
ao derradeiro

Porque todos que estavam lá
comigo
na linha de largada

chegaram primeiro

(Elza Fraga)

sábado, 25 de abril de 2009

PRA NUNCA

.
Quando amarrei você
com nó de marinheiro
na mediocridade
desta minha vida
pensei assim

como sou sabida!

Engano!

E me convenço mais disso
a cada ano
perdido
partido

É só olhar dentro
deste seu olho triste
pra saber
que o pra sempre juntos

não existe.

(Elza Fraga)

sexta-feira, 10 de abril de 2009

BEM FEITO!

.

Depois que
eu fugi
como uma besta
é que percebi
a insensatez
do meu mau feito

Você sempre foi
o perfeito
pra mim.
O do meu jeito


Sobrou no fim
seu sorriso
na minha cabeça
e este arrependimento
ardido

Bem feito!
Eu merecia nem ter nascido
assim

com toda esta leseira
e com tanto tempo
vago
pra fazer asneira!

(Elza Fraga)

terça-feira, 7 de abril de 2009

TENTATIVA NUM BEIJO ASSOPRADO

.
Sopro,
como se fora Deus
a vida
pra dentro do teu
pulmão

em ares quentes

pra tentar
te fazer meu
devoto, crente,
penitente

pra sempre!

segunda-feira, 6 de abril de 2009

PÁSCOA - TRISTE REPARAÇÃO







Senhor
eu nunca pesquisei
a Tua cor
a Tua etnia.
Não quis ler
Tua biografia.
Me ative só no principal,
Teu coração
doado em toda a dor,
pra nos fazer aprender
sobre o amor
Agora,
tanto tempo já passado,
estou aqui
nesta triste missão
de Te pedir perdão.
Perdão por cada um de nós
que Te ungiu com pedras,
Te feriu,
Te olhou nos olhos
e Te cuspiu.
Perdão, Jesus,
Meu Mestre e Salvador
por toda a dor que o homem
Te infligiu
Pois este erro pertence
a mim também
por extensão,
e que o Teu renascimento
a cada ano
nos traga o arrependimento
e a redenção

Amém, Amém, Amém!

(Elza Fraga)

CONTRA A CORRENTE

Ser carambola de quintal
uva na parreira
fruta madura
despencada da mangueira
moleca tola de fazer besteira...

E ver a vida a passar
na minha frente
tentar correr atrás
meio a força
meio a medo...

E me saber
impotente
brinquedo de quebrar
da vida má,

a me arrastar
- nadando -
contra a corrente.

(Elza Fraga)

A SAGRADA FAMÍLIA

De repente - à noite -
lá pela madrugada
José percebeu
que estava só,
inteiramente só,
desde sempre...
Então bebeu um mundo de cachaça
antes de perguntar a Cristo:
Por que eu?!
Maria arribou, Jesus,
nem esperou a aurora,
deixando no escuro meus farrapos.
O coração deitado nos seus trapos.
A lembrança. A solidão. O desespero.
O recordar - maluco -
o macio dos seus pêlos.
O choro incontido.
A indisfarçada agonia.
O perceber, embora um pouco tarde,
que esta ausência que me queima,
que me arde,
sempre foi a mais constante companhia.
A alma solitária.
O ódio da vadia!
E esta profana prece numa noite fria
orando a falta que nem eu sabia
que ela faria:
Volta! Volta por Cristo.
Pela insanidade
de gozar com as minhas taras.
Pela maldade
d'eu mordiscar o bico do seu seio.
Pela cachaça que lhe dou de graça
e ainda levo, de bandeja, no seu leito.
Volta por toda a minha covardia
de não dormir sozinho um só dia.
Por ilusão. Por medo. Por saudade.
Por tesão. Por paixão. Por caridade.
Por compaixão. Por pura ironia.
Volta por vingança...
Por bondade...
Mas volta, por favor,
volta Maria!

(Elza Fraga)

domingo, 5 de abril de 2009

SAUDADES DO QUE NÃO VIVI

.
Meus olhos
rasos
de saudades
de coisas que nem vi
e nem vivi

de amores apenas
esboçados
em desenhos
toscos
na mente
onde amareleci
o antigamente.

Tudo irrealmente doído.

A alma sente
diuturnamente
o que poderia
ter sido
e não foi
virou jamais
por covardia
como um membro amputado
que ainda dói
demais.

Como a pontada aguda
do nós

que não fui capaz
de compor
e nos deixei
eternamente

a sós.

(Elza Fraga)

quarta-feira, 1 de abril de 2009

SEMPRE É SOLITÁRIO O SOFRIMENTO

Por onde eu andava
enquanto tu sofrias
as dores
e o frio
da alma vazia
de esperança e sonhos?

Por onde eu andava
enquanto te agitavas
em sonhos pesadelos
de horrores e de medos?

Por onde eu andava
enquanto o pranto amargo
escorria tuas faces
desenhando vincos
refletindo um mundo
de monstros noturnos?

O meu sorriso mudo
tatuado na cara
contava
que eu andava
longe
mesmo a teu lado
mesmo ombro a ombro

Todo o ser é só
ilha isolada
quando o desespero
encontra a alma aberta
e entra porta a dentro
e faz a sua morada
no centro

dum coração deserto

(Elza Fraga)